NOSSA HISTÓRIA

O Projeto Bagagem passou por uma fase de transição de diretoria e está agora com nova equipe gestora e um novo Plano de Trabalho. Conheça abaixo a equipe que está dedicada ao fortalecimento de uma rede de destinos de turismo de base comunitária no Brasil, à sensibilização do turista potencial e à representação do segmento frente ao governo e demais associados do setor.

A Associação Projeto Bagagem surgiu em 2002 da espontânea iniciativa das colegas de faculdade Cecília Zanotti e Mônica Barroso em organizar viagens pelas comunidades ribeirinhas da Amazônia. Após algumas oportunidades de conviver e se encantar com a simplicidade do modo de vida e a natureza exuberante da região, Cecília e Mônica se perguntaram por que o turismo de base comunitária não é usado com maior frequência em nosso país, já que a atividade proporciona uma experiência de vida única para o turista e uma forma sustentável de geração de renda para o local.

Com a missão de levar desenvolvimento sustentável às comunidades por meio do turismo, a ONG realizou muitas viagens de experiência nesses últimos doze anos. O Projeto Bagagem também executou diversos projetos, valendo a pena destacar: Formação em Turismo Comunitário em Juréia, Santos e na Rede Cananéia (SP) e Instituto Rosa e Sertão (MG), Projeto de Desenvolvimento do Grãos de Luz e Griô (BA) e Turismo Comunitário como Alternativa de Geração de Renda para as Comunidades Caiçaras da Ilha do Araújo e Trindade em Paraty (RJ).

Com a saída de Mônica e depois de Ciça por questões profissionais e pessoais, o Bagagem ficou por um tempo sendo liderado pela então colaboradora Bárbara Muñoz. Com o encerramento dos projetos que estavam em andamento, o Bagagem teve um período de inatividade até ser retomado em 2014. O primeiro modelo de retomada foi uma investida da Raízes Desenvolvimento Sustentável no mesmo modelo em que havia gerenciado outras organizações do terceiro setor como a Aliança Bike, a Abramas, a RedeJur e ABETA, esta última também no setor do turismo. Durante o período de agosto de 2014 a dezembro de 2015 o negócio social buscou fontes de manter a ONG através de ações patrocinadas, mas apesar de avanços como a realização do II Encontro Turisol, o modelo não se mostrou sustentável no longo prazo.

 

No início de 2016 a eleição de diretoria foi adiantada pela mudança da presidente e um conselheiro para Europa. Na ocasião parte da equipe que resgatou o Bagagem na Raízes decidiu se dedicar voluntariamente ao prosseguimento da ONG. Hoje a ONG tem uma equipe 100% voluntária que mescla entre seus diretores, conselheiros e colaboradores antigos amigos do Bagagem e entusiastas mais recentes.